Proventos - Setembro 2015

quinta-feira, 8 de outubro de 2015

Como dito no mês passado, inspirado no colega blogueiro Doutor Honorários e suas postagens Rocky Steps, resolvi também publicar mensalmente o andamento do meu recebimento de proventos de ações no mês.

Eu estipulei uma renda passiva desejada para aposentadoria que servirá de base para avaliação do avanço dos proventos ao longo do tempo. Não é meu objetivo obter toda a renda passiva através de proventos de ações, pois a renda pode vir de outras classes de ativos como RF, FIIs e imóveis, etc, mas é um bom parâmetro para acompanhar o crescimento.

Proventos de Setembro/15 (valores brutos por ação)

ITUB4 DIV: 0,015
ABEV3 DIV: 0,15
CIEL3 DIV: 0,218322399
CIEL3 JCP: 0,06065625
WEGE3 JCP: 0,054117647


* Todos os proventos recebidos são reinvestidos
** Os proventos são contabilizados na mês de acordo com a "data ex", portanto pela competência e não quando efetivamente o valor é recebido na conta

Proventos Setembro/15 x Renda Passiva desejada: 3,65%
Média mensal dos últimos 12 meses x Renda Passiva desejada: 9,17%

Média últimos 12 meses x 12 meses anteriores: Queda -9%
Média 9 primeiros meses de 2015 x 9 primeiros meses de 2014: Queda 
-19,5%

Verificou-se que o mês de setembro foi bem fraco em termos de proventos, em parte pela diminuição dos proventos da Cielo, que reduziu pela metade os proventos para focar na diminuição do endividamento, mas principalmente porque os proventos da CCR, que são tipicamente pagos em setembro, neste ano foram declarados somente em outubro (lembrando que além de alterar a data, a CCR também cortou parte dos proventos).


Como demonstrado acima, nos últimos 12 meses houve uma queda nominal de 9% nos proventos recebidos, mesmo com a continuação dos aportes feitos durante o ano. Esta queda pode ser explicada por 3 fatores:

1) Menores proventos em decorrência do menor lucro das empresas;
2) Diminuição do pay-out de algumas empresas como Vale, Eternit, Cielo, CCR e Cemig, com foco em diminuir a alavancagem que subiu muito neste ano em decorrência da alta do dólar (pra quem tem dívidas em dólar) e da alta da SELIC; e
3) Mudanças no perfil da carteira com a saída de (até então) boas pagadoras de dividendos como Petrobrás e Souza Cruz

Importante:
Este material tem propósito meramente informativo. Não consiste em recomendação financeira ou estratégica para investimentos. Para saber mais sobre as opções de investimento e receber recomendações, procure uma instituição financeira com profissionais habilitados.

3 comentários

  1. Apesar de achar ruim a queda na distribuição de dividendos, achei prudente as empresas diminuírem o percentual de dividendos esse ano em função das incertezas políticas e econômicas. Possui fundos Imobiliários em carteira ? trata-se de uma boa maneira aumentar os proventos mensais.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Beto, concordo com você que foi prudente mesmo. Na verdade nem ligo nesta mudança de um ano pra outro.

      Não possuo FIIs porque já tenho uma grande parte do patrimônio em imóveis e não quero aumentar a exposição, apesar de ser um ativo com características diferentes. Concordo que é uma boa forma de aumentar e garantir proventos, mas não considero um bom momento pela composição atual do patrimônio.

      Abraços

      Excluir
  2. Faz sentido para mim também que as empresas segurem a distribuição de dividendos para conter dívidas e alavancagem. Ainda bem que é assim, para a saúde das empresas e perpetuidade dos negócios dos quais somos sócios.

    Abraço

    ResponderExcluir

 

Seguir por e-mail

Posts Populares

Blogs Favoritos

Estatísticas