O cafezinho segundo Gustavo Cerbasi

sábado, 9 de agosto de 2014

Em 7 de junho de 2014 o excelente blog Além da Poupança publicou o post Educação Financeira e a Parábola do Cafezinho.

O post trata de educação financeira e quais são os efeitos da acumulação e dos juros compostos, através de uma parábola em que a pessoa economiza o dinheiro de um cafezinho por dia durante 30 anos. Ao final o valor acumulado poderia chegar a R$ 50.000,00 considerando juros compostos, etc.

Na ocasião eu fiz um comentário que achava interessante o post do ponto de vista de educação e matemática financeira, mas que na prática, eu achava que o planejamento financeiro era mais importante para a vida das pessoas, pois muitas vezes as pessoas cortam o cafezinho e acabam gastando muito mais em itens desnecessários. Meu comentário tem um pouco a ver com o que falei no post Abaixo à falsa frugalidade.

Aí o nobre blogueiro dimarcinho entrou na conversa e acabou levando para outro lado, me criticando que eu supostamente estava defendendo a "falácia das janelas quebradas" e querendo me dar uma aula de economia, falando sobre Paul Krugman, etc. Bom, a conversa terminou com algumas pérolas do nosso amigo desqualificando o prêmio Nobel e, com a delicadeza que lhe é peculiar, dizendo que discutir economia comigo é como jogar xadrez com as pombas.

Ahahaha, morro de rir até hoje! 

Não vou ser indelicado e desqualificá-lo, até porque a opinião dele não me importa muito, depois que, como não sou economista, não fico preocupado em ser reconhecido como bom no assunto, apesar de me esforçar para aprender alguma coisa e me considerar um pouco acima da média do brasileiro em geral.

Voltando ao assunto do post, ou à Parábola do Cafezinho, vi ontem este vídeo do Gustavo Cerbasi falando justamente sobre a isso, e percebi que ele tem opinião parecida com a minha sobre o assunto, por isso resolvi compartilhar aqui.

Clique no link abaixo para ver o vídeo:
Gustavo Cerbasi: Tenha uma vida mais simples e rica

Acho que posso continuar tomando meu cafezinho!

Abraços

ps: ADP, este post não é uma crítica ao seu post, mas uma maneira de tentar expor minha opinião de maneira mais clara através do que disse o Gustavo Cerbasi.

25 comentários

  1. kkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkk

    Pelo menos vc é engraçado!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Valeu dimarcinho, ganhei o dia.

      Uó, anota aí, ganhei o direito de ir para a sala dos divertidos-burros.

      dimarcinho, pelo menos você é inteligente!

      Excluir
    2. kkk, estamos transitando o tempo todo por estas salas dos burros, uma hora estamos chatos, outra divertidos, rs. Dificil é entrar na sala dos inteligentes, eles não deixam, kkk, principalmente os chatos.

      Excluir
  2. ação da VALE é uma boa para comprar na segunda feira?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. anônimo, com relação a ação da VALE, tem 50% de chance de ser uma boa e dar certo e 50% de chance de dar errado. rs

      Excluir
  3. EI,

    É fundamental buscar o equilíbrio. Aproveitar o presente e pensar no futuro. Já dizia o ditado:

    "A diferença entre o remédio e o veneno é a dose."

    Abraços.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. IL, é isso mesmo, tem que saber dosar. E o que o Cerbasi falou faz todo o sentido (não sei se assistiu o video, tem 1 minuto). O importante não é economizar no cafezinho, mas qual o padrão de vida que você leva.
      Abraços

      Excluir
  4. Só sei que com o expresso custando entre 3,5 e 4,5, não da pra beber.
    E o tipo da despesa desnecessária, que se ficar sem não muda sua vida. Prefiro um chope!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Anonimo, concordo que o expresso (ou espresso) está muito caro e o café por si só não justifica, mas tem que contextualizar com a situação, por exemplo que está com colegas de trabalho, a conversa do café pode render bons frutos.
      Concordo que o chopp é muito melhor, mas o problema é que se o chopp for bom, 1 só nunca é suficiente. rsrs

      Abraços

      Excluir
  5. Este mês eu resolvi retestar esta bobagem que vocês falam e AGI como um de vocês... resultado, muito dígitos a menos na conta. Não irei repetir. Minha sovonagem me traz mais alegria e resultados que a suposta alegria e prazer passageis dessas bobagens.

    Mas na boa isso sou apenas eu... ABS Victor

    ResponderExcluir
  6. Tem tb a teoria de Pareto (80/20) aplicada no consumo.
    Algo como: "Conseguimos adquirir 80% de uma experiencia, gastando apenas 20% dos recursos. Para ter os outros 20% da experiencia, precisariamos gastar os 80% restantes".
    Na boa, tem muito café coado de esquina, que custa 50 centavos q é bem mais gostoso que o expresso de 3 pila do café gourmet...

    No mais, não é somente questao de ter uma vida equilibrada. Tem q estar feliz e satifeito. Eu me sinto mal quando sei que estou pagando muito caro por uma experiencia, que nao condiz com minha realidade.

    Mas uma coisa é fato... mulher gosta é de conformo. E se ficar na muquiranagem, vai se "divertir menos" com elas...

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. MF, o problema é que o cara economiza no cafezinho e compra um carro que gasta muita gasolina, ou perde dinheiro em transações desnecessárias. Aí o cara economiza R$ 1000,00 em um ano com coisas banais como o cafezinho e desperdiça R$ 5000,00 em cabeçadas.

      Como eu disse, do ponto de vista financeiro ok, mas o que falta nas pessoas é tomar decisões certas na vida e planejar as coisas adequadamente.

      Concordo que realmente mulher gosta de conforto ...

      Excluir
  7. Esses blogueiros ainda vão acabar sendo devorados pelo próprio ego, depois querem falar do Bastter.

    ResponderExcluir
  8. Uai, você apagou meu comentário dizendo que o post é causador de polemica, e que o dimarcinho viria aqui, depois viria o Troll (Ainda não veio) e o inves livre. E ia começar uma briguinha sem sentido, e tal e coisa. Parabola é aquele negócio : não é para levar ao pé da letra! Interprete, tire a mensagem implícita, tal qual é com a bíblia.

    ResponderExcluir
  9. Sou o anônimo que comentou no blog do AdP, nesse link () e que obteve essa magnífica resposta de sua parte:

    "legal anonimo, você é o cara. entende "pracaramba" de tudo, parabéns. Nos conte mais sobre seu sucesso com as finanças.

    Depois de tudo isso volte ao meu comentário inicial e entenda do que eu estava falando."

    Eu sentiria vergonha de uma resposta como essa para um comentário que fiz sem atacar ninguém, afinal de contas, infantilidade tamanha não é para qualquer um...

    Eis que o assunto surge novamente. Até agora você não conseguiu se fazer entender e, muito menos, entender o que é falado pelos demais. PS: sugiro aulas urgentes de interpretação de texto, ou melhor, português em geral!. Enfim, nesse vídeo postado não há nada que contrarie a PARÁBOLA - sugiro que peça ajuda ao professor para que ele lhe explique - do cafezinho. O que o Gustavo diz no vídeo é apenas que nas DECISÕES a serem tomadas visando o equilíbrio no fluxo de caixa mensal, deve-se levar em consideração os benefícios diretos ou indiretos trazidos a você. Ou seja, ninguém disse que você não precisa tomar café para ter um carro - por isso minha desconfiança de que você realmente não sabe português -, apenas foi feita uma analogia entre gastos supérfluos e a importância de se capitalizar para executar projetos futuros - tratado corretamente como Custo de Oportunidade pelo DiMarcinho na discussão original -.

    Inclusive, me assusta muito o fato de você ter postado esse vídeo junto de um texto que não retrata a realidade dos seus comentários. Quem desvirtuou o tópico tentando aplicar a pífia teoria de que gastos supérfluos são bons foi você. Lembra da história do seu tio? Por sinal, ela não contribuiu com nada no assunto, pois a decisão de usar ou não dois canudos não tem impacto no seu bolso. Movimentar a economia com o dinheiro dos outros e excelente!

    Encerro dizendo que vou muito bem, obrigado. Fico muito comovido pelo seu fino trato nos comentários, mostrando que realmente deve ser um cidadão exemplar.

    Cordial abraço.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Anônimo,

      Não entendi porque está se fazendo de vítima. Você diz que fez um comentário sem atacar ninguém, mas não é verdade, afinal seu comentário foi bem agressivo, inclusive com trocadilho com meu nick: "Eis que surge nosso caro Economicamente Incorretíssimo com a teoria ...", fora o tom irônico. Por isso responde como respondi.

      Eu pedi para você olhar meu comentário inicial, aí você vem com essa de interpretação de texto, então vou repetir, volte ao meu comentário inicial. Mas vou te ajudar.

      "Economicamente Incorreto 8 de junho de 2014 20:09
      AdP, eu entendi o que você quis dizer no post, portanto não estou aqui escrevendo para criticar ou contra-argumentar. Mas apenas para expor meu ponto de vista e acrescentar ao rico assunto.

      Eu particularmente acho este tipo de parábola educativa "boa" até a página 1, pois trata do principio da matemática financeira dos juros compostos (ponto). "

      Veja que eu entendi muito bem do que se tratava o texto da parábola, pois estamos falando de educação financeira básica, tipo capítulo 1 de qualquer apostila de matemática financeira (Juros Compostos). Minha proposta foi discutir pontos adicionais, uma vez que o nível do público desta blogosfera é mais alto que isso e acho que daria uma discussão sadia não fosse a intervenção agressiva do dimarcinho e ajuda de um anonimo aloprado.

      Neste ponto eu tenho dúvidas se você e o dimarcinho conseguem interpretar bem os textos (acho melhor VOCÊS procurarem aulas URGENTE), pois eu apenas fiz referência a outros assuntos a serem discutidos em complemento a parábola do cafezinho. E o pior, em nenhum momento eu defendi que isso ou aquilo estava certo ou era melhor para a economia (mesmo na hora que citei a historinha do canudinho, eu não defendi, só comentei que meu tio comentava isso). Para confirmar isso, veja este trecho do meu comentário:

      "Como um anônimo falou acima, são diferentes pontos de vista. Escrevi isso acima apenas para expor formas diferentes de ver um mesmo problema, e não disse que uma coisa ou outra está certa,"

      Outro indício que quem precisa de aula de interpretação de textos não sou eu é que quem trouxe a tona o assunto do Krugman não fui eu, pois eu nem tinha conhecimento sobre o assunto.

      Já com relação ao video, eu NUNCA falei que ele contraria a parábola do cafezinho (sugiro aulas de interpretação de textos e videos), pois ele não contraria, mas achei importante postar o video porque é bem semelhante ao que penso, ou seja, parábola do cafezinho = matemática financeira e importante na vida é planejamento financeiro.

      Abraços

      Excluir
    2. EI, lá venho eu retomar a discussão.

      O fato de você não ter citado Krugman é irrelevante, pois você - sem saber, como alega -, usou uma de suas esdrúxulas interpretações da teoria da janela quebrada. A escola keynesiana, da qual Krugman é adepto, acha que a economia é uma semi-reta. Ou seja, quaisquer estímulos feitos no ponto inicial se propagam indefinidamente em apenas um sentido, num círculo virtuoso, o que é uma falácia! A teoria da janela quebrada veio de Bastiat, e Krugman, representando o keynesianismo, tentou adaptá-la para seguir uma lógica semelhante a sua, onde algo ruim pode gerar benefícios à economia. O absurdo é tanto, que, segundo eles, a segunda guerra mundial salvou os EUA da crise de 1929, preparar-se para uma suposta invasão alienígena sem fundamento seria benéfico à economia e até mesmo seria justificável o governo contratar pessoas para abrirem buracos e outras para tapá-los! Veja só onde vai parar essa lógica!!! A lógica é muito mais simples, como já expus, mas me permita citar um outro exemplo: o dinheiro não gasto pelo dono da loja para a troca do vidro, poderia ser usado para ampliar seu negócio e, quem sabe, contratar mais um funcionário. Ou ainda, poderia ser usado para comprar itens de luxo para seu filho, movimentando a economia com demandas reais, sem ter como base a destruição. NUNCA há nada de bom na destruição, pois estamos jogando fora recursos escassos para produzir bens com uma demanda FORJADA, entendeu? As demandas devem surgir naturalmente, não através de estímulos ou de depredações.

      Enfim, espero ter deixado claro dessa vez a crítica, e faço mea culpa em relação aos ataques sobre sua capacidade de interpretação de texto. Mas peço que, por favor, não insista que há uma interpretação errada sobre a parábola do cafézinho e a reflexão proposta. A única intenção foi mostrar que gastos fúteis, que agregam pouco valor à vida das pessoas, podem e DEVEM ser cortados. É óbvio que isso depende do que cada um e que a ideia de valor é relativa, mas isso, em nada afeta a lição. Qualquer outra interpretação é uma desinformação aos visitantes, que, indubitavelmente, não é a intenção de nenhum blogueiro sério.

      Para encerrar, sem matemática financeira, é impossível fazer qualquer tipo de planejamento!

      Abraços!

      Excluir
    3. Anônimo, fico feliz que tenha voltado, principalmente com um comentário mais respeitoso e educado.

      Veja, eu não disse nada muito diferente do que você está dizendo, e quero dizer que eu não tenho 10% do conhecimento teórico que você apresentou sobre o tema, aos citar os autores, teorias e escolas.

      Quero apenas deixar claro alguns pontos:

      Como nós concordamos, gastos fúteis que agregam pouco valor devem ser cortados. O que é um gasto fútil depende da perspectiva de cada um. Minha crítica é sobre uma POSSÍVEL falsa percepção que a parábola PODE DAR às pessoas que é só cortar o cafezinho que ficará rico. Esta não é a minha percepção, mas penso que ela pode criar esta percepção nas pessoas. Mais importante que cortar o cafezinho, é criar um estilo de vida adequado e sustentável financeiramente.

      Com relação a falacia da janela quebrada, veja que eu não concordo que isso seja bom para a economia e que deva ser incentivado, mas por outro lado, com minha visão prática (sem embasamento teórico) sobre o tema, tenho a impressão que existem impactos na economia em decorrência de guerras, para pegar o seu exemplo.

      Concordo com você que NUNCA há nada de bom na destruição que não se deve incentivar jogar fora recursos escassos para uma demanda FORJADA, mas não discordo de quem diz que é fato que a economia é impactada por destruição e geração de demanda forjada.

      Apenas para reforçar, seria muito melhor para a economia se estas coisas não existissem como você citou no exemplo do dono da loja que usa o dinheiro ao invés de trocar o vidro, mas infelizmente existem.

      Abraços

      Excluir
  10. legal a parabola, eu poderia cortar as barras de chocolate Laka que adoro comprar nas americanas (em lote de 3, rs), daqui 20 anos compraria um carro novo, só que não, minha vida fica mais chata sem os chocolates. Mas meu carro é 1.000 com quase 20 anos de uso, e isto não me deixa infeliz, são perspectivas de vida...

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Uó, concordo com você e é exatamente o ponto, tudo depende da perspectiva.
      Abraços

      Excluir
  11. Efetuando um comentário tardio. Sou economista de formação e digo por experiencia de anos na área ... Economia pode ser o curso mais e mais difícil dependendo da objetivo do estudante ... Se o aluno tiver apenas o título como objetivo vai consegui-lo sem muito esforço, entretanto, se o alvo for tornar-se um economista o caminho é longo e árduo...conclusão: ter um bacharelado em economia não qualifica o individuo como um bom economista...Por fim digo que você está no caminho certo e que seus posts são muitos sensatos..

    ResponderExcluir
  12. Retificando: Economia pode ser o curso mais fácil e mais difícil dependendo da objetivo do estudante

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Anonimo, obrigado pela mensagem e feedback. Desde este post tenho estudado muito, tanto formalmente (MBA) como por conta própria, e a cada dia eu me convenço mais sobre os aspectos abordados nesta postagem.
      Um abraço e sucesso

      Excluir

 

Seguir por e-mail

Posts Populares

Blogs Favoritos

Estatísticas