Aquecimento global, ideologia pautada e Mínions

terça-feira, 20 de agosto de 2019

Através deste post quero tratar de um tema que vem me chamando bastante a atenção: A estratégia bolsonarista de pautar temas polêmicos nas discussões pelo país de forma a colocar as pessoas com opiniões opostas em clima de guerra ideológica.

Antes de mais nada, quero deixar claro que, apesar de não ter votado em Bolsonaro (anulei meu voto no segundo turno), sou simpatizante das ideias liberais relacionadas a economia, não do presidente, mas do corpo governista. Sou absolutamente contra o PT e a esquerda socialista corrupta que esteve no poder por 14 anos plantando um projeto para se perpetuar no poder. Esperava que o governo, não o presidente, colocasse o país no rumo, mas infelizmente o presidente está mudando as prioridades e implantando um projeto para ele ser o protagonista, de forma egocêntrica e com postura ditatorial do ponto de vista de gestão (ninguém pode dizer nada contrário aos seus pensamentos que é imediatamente limado do governo). Feita esta ressalva, vamos ao post.




A título de exemplo quero comentar uma situação relacionada aos posts de Aquecimento Global postados pelo blogueiro Heavy Metal. Foram duas postagens em seu blog um tanto polêmicas tratando o aquecimento global como fraude, são elas:

O Aquecimento Global é uma fraude (e das maiores!)

Aquecimento Global mata de frio centenas de pessoas em três continentes

Inocentemente eu li a primeira delas e teci alguns comentários, que eu diria que foram moderados, mas com críticas ao tom radical, na minha opinião, da postagem e do blogueiro, sobretudo na parte dos comentários. Para minha surpresa, ao defender minimamente que eu acredito que o aquecimento global é uma preocupação legítima, tive que me contentar com respostas pouco amistosas, tanto do blogueiro como de anônimos minions de plantão. Por pouco não me chamaram de comunista, e olha que fui moderado nos comentários.

Longe de querer criar polêmica com o blogueiro, peço licença para usar esta situação de exemplo para o tema central da postagem.

Apenas para não passar em branco, quero deixar claro que na minha opinião, apesar de existirem exageros nas previsões apocalípticas na questão do aquecimento global, acredito sim que o planeta está sendo impactado negativamente por ações humanas (poluição, queima de combustíveis fósseis, devastação de florestas, resíduos, elementos tóxicos, transgênicos, etc), que vão trazer sérias consequências para o futuro, de forma que devemos discutir de forma séria os impactos nas mudanças climáticas e trabalhar em ações para diminuir o nosso footprint ambiental. 

De qualquer maneira, não pretendo entrar em discussão profunda sobre o tema nesta postagem, pois não tenho elementos científicos para uma discussão mais séria e nem é um tema esperado para este blog.

São muitos os temas que, através do viés ideológico de ultra-direita do governo, vem sendo levantados apenas com o objetivo de polemizar (meio-ambiente, porte de armas, relações diplomáticas e comerciais com outros países, corrupção, temas educacionais, questões de gênero, etc). Apenas para ficar na questão ambiental, diferente de outros governos moderados que evitavam colocar a mão em certos vespeiros, o governo atual percebeu que quanto mais polêmico um tema, melhor a ser abordado, pois este ganha vida através de defensores e opositores (do tema) e pautam mídia e redes sociais. Desta forma o governo vem dizendo claramente que não acredita que haja desmatamento na amazônia, dá sinais que não se preocupa com questões de mudanças climáticas e muito menos que qualquer país pode se envolver no tema, afinal a amazônia é nossa e ninguém tasca. Em paralelo a questão discutida no blog do Heavy Metal, me chamou a atenção que o assunto vem sendo discutido por todo lado e em alguns grupos de Whatsapp recebi vários vídeos acusando a Alemanha, Noruega e outros países europeus de poluidores que não podem "abrir a boca" para discutir a questão ambiental com o Brasil, etc. Na maioria das vezes com notícias notícias plantadas, inverídicas (fake news) ou com informações adaptadas convenientemente.

Apenas para pegar o exemplo da Alemanha e as florestas, é verdade que a Alemanha acabou com suas florestas nos últimos séculos, mas só alguém com nenhum conhecimento histórico ou geográfico pode ignorar que foram regiões que passaram por inúmeras guerras, que sofrem com frio intenso (a única maneira de se aquecer, no passado era através de utilização de recursos disponíveis) e, principalmente, os tempos eram outros, sem nenhuma preocupação com o meio ambiente. Estive passando uns tempos na Alemanha no ano passado, e eles nos dão 7 x 1 no tema ambiental. Primeiro que descobri que 1/3 do país é coberto por florestas, não nativas, mas replantadas. Além disso, há incentivos do governo para adoção de soluções mais limpas do ponto de vista energético, como reforma das casas utilizando materiais com melhor isolamento térmico, incentivo a redução de lixos orgânicos (através de compostagem) e recicláveis (através de cobrança do lixo das casas por peso ou volume, assim como reembolso em dinheiro pela devolução de garrafas plásticas e de vidro). Enfim, fica até difícil um brasileiro nativo, que vive no Brasil, querer dizer que a Alemanha deve tomar aulas sobre qualquer tema conosco. É triste admitir, mas acho difícil ensinarmos a Alemanha a fazer qualquer coisa, até mesmo a jogar futebol.

Um Bolsonaro a menos no Brasil é sim posítivo

Outro tema polêmico foi a indicação (to be confirmed) do filho do presidente para ser embaixador brasileiro nos EUA, o que é, seguramente, um tema bem polêmico. Até o presidente comentou algo do tipo que "se está dando polêmica é porque é o nome certo". Esta claro que o garoto (03?) não tem o mínimo de experiência para um cargo tão importante, mas alguém acha mesmo que isso importa? O que vale é a discussão de nepotismo, que o inglês dele é ruim, que a qualificação é ter fritado hambúrguer no Maine, etc. Imediatamente fiquei feliz, pois descobri que ao ser indicado, ele tem que renunciar o cargo de deputado (não pode somente se afastar) e acho que de longe, ele estaria longe dos holofotes. Brilhante foi o Danilo Gentili em seu comentário sobre o tema, e olha que ele era um apoiadores do Bolsonaro. Ver video publicado em seu perfil no Twitter, abaixo:


Parece que o presidente já está mudando de opinião, afinal, a polêmica já foi criada, e não acho que ele realmente tenha o interesse de tirar o filho do foco, e nem que ele perca o mandato.

Os mínions de Donald Trump


Nos últimos tempos, tem ganhado destaque os chamados Bolsominions, que são os "soldados" anônimos nas redes sociais preparados para defender as ideias de seu mestre, então candidato e agora presidente Bolsonaro a qualquer custo, sempre que um assunto polêmico é levantado. Cada declaração ou mensagem do presidente, seja esta verdadeira ou falsa, é imediatamente replicada por seus seguidores de forma a propagar a mensagem de forma mais longe possível.

Esta é claramente uma estratégia baseada nos princípios muito bem utilizados por Donald Trump, tanto em campanha, como durante o governo. 

Me chama a atenção a forma como Bolsonaro e filhos, assim como os mais radicais membros do governo, agem como minions para o presidente americano Donald Trump. Veja só, Trump é um apoiador de Israel, inclusive mudou a embaixada dos EUA para Jerusalem, um dos primeiro atos do governo Bolsonaro foi sinalizar na mesma direção, seguida de recuo estratégico até que o assunto se encerrou. Trump tem protagonizado cenas grotescas em seu relacionamento com Angela Merkel, Primeira Ministra e chefe de estado Alemã, em clara provocação aos ideias europeus, representados pelo seu país mais rico, Bolsonaro segue a mesma cartilha entrando na polêmica com o mesmo país, pelas questões ambientais. Enfim, são vários os temas, em maior ou menor grau, onde Bolsonaro minion busca se pautar na agenda de seu mestre de cabelos louros.

É claramente uma estratégia para se aproximar do presidente americano a qualquer custo, e entrar na agenda americana, como se o Brasil tivesse alguma relevância para os EUA. Quem conhece os EUA bem, sabe do que estou falando. Não seria isso tudo um grande problema, a não ser o fato que eventualmente Trump pode não ser reeleito, então como fica a situação do Brasil no caso de eleição de um democrata "comunista"? Somos extremamente vulneráveis do ponto de vista econômico, mas não seria o caso de os bolsonaros romperem relações com o primo do norte considerando o viés ideológico?

Agora só falta o nosso presidente dizer que vai construir um muro entre Brasil e Argentina, caso se confirmem as previsões para a eleições de outubro naquele país (pensei muito ao escrever esta frase, pois não queria dar muita ideia, rs).

Como investidores, o que fazer?

Nos resta agora aumentar a diversificação, pois como dito em postagem anterior, tudo pode acontecer neste país, desde um aprofundamento do ideal nacionalista de extrema direito, que poderia chegar em uma ditadura militar, até o retorno da esquerda radical corrupta ao poder.

Acredito até que, em algum momento, possivelmente em 2020, passada a onda de aprovação de reformas estruturais (previdência, fiscal, tributária. etc), que contam atualmente com o apoio do chamado centrão, haverá uma guinada do centrão, até de algumas posições de centro-direita-liberais, como PSDB, para uma oposição mais forte ao governo, travando-o e obrigando-o a recuar em algumas de suas atitudes. Mas esta é uma visão otimista.

Nos resta diversificar o portfolio de investimento, mantendo um percentual no exterior em moeda estrangeira.

Abraços 

12 comentários

  1. E.I., olá colega. Faz tempo que não comento no seu espaço.
    a) O Brasil está retrocedendo em temas básicos, temas que pareciam ser imunes a quem fosse o governo. O que estão fazendo na questão ambiental é inacreditável, além de uma burrice extrema. Não tem um empresário representante do agronegócio, ao menos os mais importantes, que não entenda a importância da agenda ambiental. Mesmo se analisarmos única e exclusivamente pela ótica comercial, esse governo pode estar apenas dificultando e trazendo problemas para os produtos agrícolas brasileiros. Aliás, vi uma entrevista de um representante de empresários do agronegócio e ele falava exatamente isso. Há uma grande diferença entre o Trump (e convenhamos, ele sabe falar, ele tem carisma, e ele tem 40% dos eleitores e um partido centenário o apoiando) falando alguma bobagem, e o Bolsonaro. Acreditar que os países europeus vão assistir de forma quieta um presidente do Brasil ficar falando um monte de bobagens, sem consequências econômicas, é uma ingenuidade sem fim.
    A ironia mor é que esse governo disse que não seria ideológico (o que é uma besteira porque qualquer governo será ideológico), e ele está pautando suas decisões quase que totalmente na ideologia mais barata.
    b) Sim, a estratégia maluca parece ser essa, mas é difícil acreditar que isso possa ser de alguma maneira sustentável. A não ser que o Brasil desse um salto de crescimento como no período Lula 1, e o PIB real crescesse 5-6% ao ano, talvez e isso é um grande talvez, essa estratégia poderia dar certo. O fato é, porém, que esse governo está criando inimizades com tudo e todos, e tem apenas 6 meses de governo, período que ainda deveria haver uma certa lua de mel, ainda mais para um presidente que obteve 55% dos votos válidos.
    c) Sobre dar lições na Alemanha, a Dilma tentou fazer isso em 2011, lembra-se? Ela quis ensinar a Merkel como a Alemanha deveria tomar decisões econômicas, baseada nas decisões econômicas anti-cíclicas que foram tomadas pelo Brasil em 2009-2010, e como o desemprego era muito baixo em 2011 e 2012, o Brasil na figura da Dilma achou que poderia dar pitaco a Alemanha. Era patético naquela época, é ainda mais patético agora.
    d) Por fim, não vale ficar discutindo muito isso pela internet. Eu creio que essas discussões são importantes, mas seria muito melhores, se fosse possível ter discussões pessoais, olho no olho. Com olho no olho, ao menos em teoria, as pessoas não são tão agressivas, e se os argumentos forem colocados com educação é talvez até possível que diálogos construtivos possam ser feitos. Eu vi essa ideia de um integrante do Black Lives Matters onde ele ia conversar com pessoas do Alt-Right pessoalmente. Encontros no mínimo interessantes.


    Um abs!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá Soul, seja bem-vindo novamente a este espaço, uma grande honra tê-lo por aqui.

      a) Exatamente, a postura do governo com relação a questão ambiental é uma tragicomédia onde o mais prejudicado só pode ser o agronegócio, o que parece paradoxal, mas graças as possíveis sansões ou dificuldades que o país possa enfrentar. Por enquanto estamos deixando de receber dinheiro para projetos de sustentabilidade, no futuro serão nossos produtos que serão boicotados pelo mundo. Trump, apesar de maluco, tem muito poder nas mãos, e sabe jogar bem com isso, já nós somos um nada do ponto de vista de ambiente de negócios e comércio exterior.

      b) Não tenho dúvidas que a única coisa que pode salvar este governo é uma recuperação forte da economia. O Governo Lula surfou a onda do crescimento baseado em commodities e só deu errado porque o petróleo entrou em declínio e não sustentou a megalomania implantada na Petrobrás. Não fosse o petróleo, nem lava-jato tiraria o PT do poder.

      c) como eu disse, são poucos os assuntos que podemos dar lição de moral em alemães, não digo isso por complexo de vira-lata, mas porque ao conhecer pessoalmente e estudar um pouco mais o país, vejo que estamos muito atrás na maioria dos assuntos, sobretudo o ambiental. Ainda fui indagado sobre a falta de ética dos alemães pela fraude cometida pela Volkswagen, Porsche e Audi. De fato foram cometidas irregularidades por empresas automotivas alemãs (outras aqui também, como a Siemens), sobretudo no mercado americano, e o governo alemão puniu severamente as empresas. Eu nunca disse que todos os alemães são santos, mas não dá para dizer que são todos bandidos porque alguns cometeram crimes. Se a analogia é factível, o que seria de nós brasileiros então.

      d) realmente as discussões pela Internet são infrutíferas, principalmente as envolvendo ofensas. Sem dúvida as conversas pessoalmente (ou que seja no privado), em geral são muito mais comportadas e civilizadas que as palavras proferidas em grupos (inclusive os de whatsapp) ou anonimamente.

      Forte abraço amigo!

      Excluir
  2. Acho que o Bolsonaro tenta copiar a estratégia de marketing do trump, por isso faz coisas parecidas. Um monstro no twitter e nas suas declarações, na prática ele nao e bem assim

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Exato anônimo, mas ele está tentando, possivelmente algum filho tenha lido e passado para ele as técnicas de persuasão de trump descritas no Livro Ganhar de Lavada

      https://www.amazon.com.br/Ganhar-lavada-Persuas%C3%A3o-mundo-importam-ebook/dp/B07C719DK4?tag=goog0ef-20&smid=A18CNA8NWQSYHH&ascsubtag=go_1686871380_65415366403_327565932409_pla-942171742752_c_

      Abraços

      Excluir
  3. Enquanto isso nos bastidores Rodrigo Maia e João Doria estão se articulando para as próximas eleições, almejando o cargo mais alto no executivo federal. Pelo visto o Bolsonaro vai entrar para história como o primeiro presidente não reeleito e eu torço para que isso aconteça. Por enquanto o único lúcido neste governo é o Posto Ipiranga, vulgo Paulo Guedes.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Vamos ver anon. de verdade o Dória, no momento também não me deixa muito feliz, mas seguramente seria melhor que o Bolsonaro. Ainda é muito cedo para começar a campanha para 2022, pois além das eleições 2020, tem tanta coisa para acontecer, que acredito que quem começar agora terá pouca vantagem nesta corrida.
      Sobre o Paulo Guedes, realmente é o único lúcido no governo, montou uma equipe competente. Eu conheço pessoalmente um dos mais importantes da equipe, através de um trabalho realizado em conjunto na iniciativa privada há mais de 15 anos. Muito competente e correto. Tenho certeza que só está no governo porque o Paulo Guedes está segurando a onda. Além do mais, não tenho dúvidas que o Paulo Guedes deve ter dado um chega pra lá no presidente para evitar interferências, apesar de estas também ocorrerem em menor grau no Ministério da Economia (ex.: demissão do Levy no BNDES). Outro razoavelmente lúcido era o Gen. Mourão, mas este levou um cala-boca e me parece que cansou de dar murro em ponta de faca e não vai mais atrair a atenção como fez nos primeiros 6 meses (uma pena).
      Muito se falou do Sergio Moro, mas este vem sendo desmascarado (áudios) e tem demonstrado fraqueza do ponto de vista de gestão, além de dificuldade em se manifestar de maneira genuína. Esta perdendo popularidade e depende cada vez mais dos minions do presidente para se manter em evidência.
      Abraços

      Excluir
  4. Vou colocar aqui meu comentario que nao foi aprovado no post de noticias contra o aquecimento global no blog do heavy metal. Lá vai.

    https://pt.wikipedia.org/wiki/Evid%C3%AAncia_suprimida

    era só isso mesmo.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Excelente informação anônimo, trata-se exatamente de casos com evidência suprimida e suas distorções.

      A menos que haja um motivo real, não gosto da ideia de moderação/aprovação de comentários, pois este inevitavelmente influencia quem está comentando e muitas vezes funciona como censura, justamente para deixar passar somente aqueles comentários que são simpáticos das ideias do editor. O debate real e democrático fica prejudicado.

      Abraços

      Excluir
  5. Olá EI!

    Nós temos um posicionamento político bem parecido e concordo com a maioria dos seus pontos em relação às posições do presidente.

    Mas, paradoxalmente, acredito que o risco do Brasil degringolar está cada vez mais baixo, pois suas atitudes fazem com que uma boa parte da sociedade volte-se contra ele, exercendo, através de outras instituições (Congresso, por exemplo), algo como um "poder moderador".

    Acredito que a racionalidade, principalmente na economia, prevalecerá e o Brasil subirá de degrau nas oportunidades de investimentos. Como respondi no seu comentário lá no meu blog ontem, vejo a relação risco Brasil/risco Mundo diminuir. Tanto pela melhor condição do Brasil como pela pior condição do mundo.

    Abraços!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. VL,
      Realmente você está bem mais otimista que eu. Até acredito que a racionalidade prevalecerá na economia, mas corremos o risco de nos isolarmos cada vez mais do restante do mundo.
      Apesar de considerar a possibilidade de uma espécie de poder moderador tomar conta do país em um futuro próximo, acho que a possibilidade de um conflito entre extremistas está cada vez mais próxima. Bolsonaro só existe porque o PT fez as trapalhadas inaceitáveis que fez e porque a lava-jato resolveu fazer justiça com as próprias mãos. Tenho medo do que pode acontecer caso este governo continue incitando os extremos como está. O risco de iatrogenia é alto, como brilhantemente foi exposto pelo Soulsurfer em http://pensamentosfinanceiros.blogspot.com/2019/08/o-recado-complexo-que-vem-da-argentina.html

      Como falei são varias as possibilidades, daí continuo diversificando de forma e colocar os ovos em várias cestas.

      Abraços

      Excluir
    2. "Tenho medo do que pode acontecer caso este governo continue incitando os extremos como está"

      Eu acho que se isso continuar ocorrendo, ele mesmo vai cavar sua própria cova. Não acho que essa turminha tem força para dominar nada por aqui.

      Mas ok, vamos de qq forma, torcer para o melhor rsrs

      Abraços!

      Excluir

 

Posts Populares

Blogs Favoritos

Estatísticas