Cuidado com os gráficos

sábado, 8 de março de 2014

(post atualizado em 08/03/2014 13hs com exemplos de gráficos Ibovespa)

Cada pessoa tem uma forma de olhar para números e estatísticas. Para mim, particularmente, a forma mais fácil de compreender uma informação relacionada a números é através de gráficos e tabelas. O problema é que muitas vezes os gráficos apresentam a informação de uma maneira que distorce a real informação a que se propõe. Por outras, ocorre justamente o contrário, ou seja, propositalmente se modifica a forma de apresentação de maneira a enfatizar uma informação em detrimento de outra.

Como dizia um velho professor meu: "é só torturar os números que eles confessam", o que mais ou menos significa que se você explorar os números de maneira correta, e principalmente modificar a forma de apresentação, eles podem apresentar o resultado que você quiser.

Justamente por isso resolvi publicar alguns exemplos de gráficos sobre exatamente as mesmas informações apresentados de maneira (ou escala) diferente.

Eu peguei as informações sobre Lucro e Cotação da ação da Souza Cruz (CRUZ3) dos últimos 10 anos que eu havia publicado no post Estudo de Cotação x Lucro. Vamos aos exemplos:

Parte 1 - GRÁFICOS COM NÚMEROS REAIS

Os exemplos 1.A e 1.B foram montados com base na tabela abaixo (Cotação e Lúcro Líquido)



1.A) A informação de Lucros e Cotação apresentados em escala real em 2 gráficos separados. Reparem que ao apresentar em escalas reais, dá para perceber que a Cotação teve uma curva de crescimento mais agressiva que o crescimento dos lucros. Mas por outro lado do ponto de vista visual faltam informações e é necessário olhar as informações em detalhes para entender melhor o que aconteceu ao longo do tempo.

clique para ampliar
1.B) A informação apresentada em um único gráfico com dois eixos verticais. Este gráfico é o modelo apresentado nos quadros de ações site bastter.com (veja o quadro da Souza Cruz aqui) e as escalas são adaptadas para que as linhas preencham todo o gráfico. Este gráfico tem grande valia para entender que a cotação tende a "seguir" os lucros ao longo do tempo do ponto de vista conceitual, mas na realidade em termos de informação, ele não ajuda muito, pois dá a impressão que o crescimento foi na mesma proporção, o que vimos no exemplo anterior que não é verdade.



Parte 2 - GRÁFICOS COM VALORES NA MESMA BASE

Para montar os gráficos 2.A e 2.B, os números de lucro líquido e cotação foram trazidos para a mesma base, desta forma o primeiro valor (ano 2001) é 1 e os seguintes são variações proporcionais a este. Veja tabela abaixo:



2.A) A informação é apresentada em um único gráfico usando a mesma base (1) com escala aritmética. Neste caso dá para ver claramente que enquanto o lucro cresceu proporcionalmente de 1 para 2,588 (crescimento de +159%) a cotação saiu de 1 e foi para 20,65 (crescimento de +1965%). Certamente, para entender quanto um cresceu proporcionalmente ao outro no período total, este gráfico é muito informativo. Mas cuidado, ele é bom para mostrar informações que partem de um mesmo ponto inicial, no caso o ano 2001.


2.B) Informação apresentada em um único gráfico usando a mesma base (1) com escala logarítmica. A escala logarítmica é muito útil para visualização de informações de investimento ao longo do tempo, pois o gráfico mostra na mesma proporção percentual, em qualquer parte do gráfico a variação dos valores. Desta forma a variação de 1 para 1,5 representa o mesmo espaço visual que a variação de 5 para 7,5 ou de 20 para 30 (ou seja todos representam uma variação de 50% e a mesma distância no gráfico). Repare abaixo que ao analisar períodos específicos, esta escala é muito útil. Por exemplo de 2005 a 2007, a variação percentual do Lucro Líquido e da cotação foi relativamente semelhante, porém ao olhar o gráfico anterior (2.A), com escala aritmética, variação nominal que foi muito maior na cotação que no lucro.



Mais exemplos sobre diferenças das escalas Aritmética e Logarítmica

Explorando ainda mais as diferenças de apresentação nas escalas aritmética e logarítmica, apresento abaixo 2 outros exemplos, agora com o desempenho do Ibovespa no longo prazo (1998-2012). Veja como na escala aritmética (gráfico abaixo) em momentos mais recentes (de 2006 pra cá) a volatilidade parece ser muito maior. A queda de 2008 se mostra assustadora do ponto de vista visual.

Ibovespa - Escala Aritmética

Já na escala logarítmica (gráfico abaixo), repare que proporcionalmente, as movimentações mais recentes se tornam mais amenas quando comparado com a escala aritmética. De maneira visual é possível comparar quedas em momentos distintos e até visualizar que o bear market 2000-2003 foi muito mais relevante que as quedas que estamos tendo de 2009 pra cá. Sem contar que a queda de 2008, embora forte não é tão assustadora assim.

Ibovespa - Escala Logarítmica


Para concluir, não quero aqui dizer que uma forma de apresentar a informação seja melhor que a outra, pois cada uma, como eu disse no início do post, pode estar dando ênfase em determinada informação. O que eu quis chamar a atenção aqui no post é que muitas vezes ao olharmos um gráfico, temos que prestar bastante atenção na forma como ele foi montado para entendermos a real informação.

Comentários a respeito de suas observações sobre a postagem e sobre gráfico são bem-vindos abaixo.

Importante:
Este material tem propósito meramente informativo. Não consiste em recomendação financeira ou estratégica para investimentos. Para saber mais sobre as opções de investimento e receber recomendações, procure uma instituição financeira com profissionais habilitados.

10 comentários

  1. Respostas
    1. AdP, fico feliz que tenha gostado da postagem! Se o post acrescentou algo a uma referência como você, tenho certeza que vai acrescentar informação para muita gente.
      Abraços

      Excluir
    2. Foi legal porque mostra como os números podem expressar informações diferentes quando fazemos pequenas modificações. E não são apenas com os gráficos, as estatísticas também funcionam assim. Por isso é importante que o leitor seja crítico sobre o que vê ou ouve por aí, sempre buscando outras fontes de informação.
      Abraços e sucesso

      Excluir
  2. Gostei!!!!

    Parabéns, excelente e didática postagem!

    ResponderExcluir
  3. O pior de se analisar gráficos é enxergar neles aquilo que se quer ver. quando eu praticava trades era mestre nisto, via coisa que não existia, rs, só para justificar as entradas e saídas emocionais. auto-enganação.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Quando a isso Uó, nem me fala, as pessoas gostam de se enganar, principalmente quando começam a acreditar que é o gráfico que determina o destino da ação e não o contrário.
      Abraços!

      Excluir
  4. Aos visitantes que já passaram por aqui, hoje (08/03) às 13hs eu fiz uma atualização na postagem acrescentando exemplos de escala aritmética e logarítmica com o Ibovespa. Convido a uma nova visita para dar uma olhada na atualização.
    Abraços!

    ResponderExcluir
  5. Bela análise EI,

    Estagiário
    http://oblogdoestagiario.blogspot.com/

    Uta!

    ResponderExcluir

 

Seguir por e-mail

Posts Populares

Blogs Favoritos

Estatísticas