Valuation é legal, mas e o risco?

domingo, 12 de janeiro de 2014

Na última semana o colega blogueiro dimarcinho postou em seu blog di Finance um ótimo post sobre valuation entitulado Valuation: a arte de precificar uma empresa.

Neste post ele menciona uma discussão "leve" que teve com o Bastter, lá na Bastter.com, no mural da Petrobrás, sobre valuation. Eu tive a oportunidade de acompanhar a thread até que o Bastter perdeu a paciência e excluiu a thread que estava dando muita confusão.



Além disso, o próprio post do dimarcinho também foi controverso, com mais de 115 comentários (até o momento), muitos deles meus! sendo muitos favoráveis e muitos críticos. Bom, com isso resolvi publicar aqui no blog o meu ponto de vista como um resumo dos meus comentários lá.

O post trata basicamente da importância de considerar o preço (cotação) nas decisões de compra de ações, enquanto a discussão com o Bastter foi justamente que cotação não faz a menor diferença para quem faz Buy & Hold.

Existem 2 coisas diferentes que dever ser levadas em consideração:

1) Stock Picking de empresas considerando valuation (Preço Justo)

2) Metodologia de compra periódica sem considerar preço

A minha visão sobre este assunto é que É LÓGICO QUE É MELHOR COMPRAR UMA AÇÃO BARATA E VENDER CARA, é claro que isso faz diferença no final das contas, desta forma, um método onde o comprador tem a genialidade de acertar mais que errar o momento de comprar, acertando topos e fundos, é muito melhor que quem compra ações periódicamente sem se importar com preço.

O problema é que ao se tentar acertar o preço justo, existem outras variáveis que não são controladas pelo investidor que podem aumentar muito o risco, dependendo muito do brilhantismo em acertar o preço e a hora certa de comprar. Por outro lado, há o método que prega o Bastter, considerado Buy & Hold "passivo", onde o investidor seleciona boas empresas de acordo com seus critérios (exemplos: lucros crescentes, pagadoras de dividendos / alto payout, segmento, atividade, governança, grupo ao qual está ligada, influenciável pelo governo, etc). Enfim, cada um deve montar seu critérios. Uma vez selecionadas as empresas e montada uma carteira diversificada (15-20 empresas), o investidor vai comprando todo mês uma ação diferente de maneira a equilibrar a carteira nos percentuais desejados, sem se importar com a cotação, uma vez que as compras são pequenas e no longuissimo prazo isso não faz muita diferença.

Na minha opinião, o Buy & Hold passivo tem uma tendência a apresentar um resultado mais consistente no longo prazo, com retorno satisfatório e com menor risco. ESTA É MINHA VISÃO.

Já um método de stock picking baseado em valuation, você aumenta muito o risco, pois você pode estar errado na sua avaliação e para a cotação fazer diferença, há a necessidade de se comprar um punhado de ações por vez para tentar ganhar na variação que vai ocorrer.

Voltando para o método Buy & Hold passivo, ele se baseia no fato de que, existe uma tendência que empresas boas permanecerão boas no futuro e empresas ruins dificilmente ficam boas (exceções são as turn-arounds, coisa que acontece em 1 a cada 20 ou 30 ou 50 empresas, sei lá). Por outro lado, exceto em situações de crise sistêmica, o mercado vai precificar as empresas boas, de maneira geral, com preços altos, considerando previsibilidade de lucros e crescimento futuro, por outro lado, em geral o mercado bate em empresas que não tem resultados muito consistentes. (não vou nem discutir empresas ruins, que dão prejuízo, etc)

No método de compras sucessivas, sem se importar com preço, muitas vezes você vai comprar no topo e muitas no fundo, mas na média vai ter um bom preço. Não vai ter um resultado espetacular mas também não deve ter grandes decepções se tiver um bom controle de risco (leia-se diversificação). Exceto em crises sistêmicas onde TUDO cai, umas mais do que as outras, mas em geral todo mundo que está posicionado fica no prejuízo por algum tempo.

Peguei alguns exemplos com gráficos de 10 anos que considerei interessantes para ilustrar diferentes situações:

As linhas em azul são as cotações ao longo do período, ajustadas por proventos, e as setas em azul supostos momentos de compras usando a metodologia de compras periódicas.

As imagens abaixo foram extraídas do site exame.com e estão sendo usadas somente para efeito didático e de estudo.


1) CMIG4



Não tem muito o que falar da Cemig, repare que a cotação segue uma linha ascendente e independentemente se comprou no topo ou no fundo, o investidor teve uma boa rentabilidade, com um crescimento quase constante. Considerando umas 20 ou 30 compras no período de 10 anos, me parece que mesmo que tenha feito a compra no topo umas 2 ou 3 vezes, isso não faça muita diferença no preço médio.


2) CSAN3


Já a Cosan é uma empresa com características cíclicas e que não tem lucros tão consistentes assim. Ela fez um fundo forte em 2008-2009, que foi principalmente no período de crise do mercado. Reparem que mesmo em uma situação de volatilidade mais alta, as compras periódicas teriam tido um efeito de equilibrar o preço médio (lembre-se compras no topo e no fundo, sem pensar, sem efeito psicológico de tomas a decisão se é hora de comprar ou não). Por outro lado, é claro que alguém que tivesse acertado o fundo em 2008-2009, teria tido um retorno excepcional, mas qual a chance de acertar? olhando pra trás é fácil, mas e olhando para frente, como saber o que vai acontecer?


3) MDIA3



Já a M Dias é uma situação diferente, pois se o camarada conseguiu enxergar que a empresa era boa lá atrás e fez compras periódicas desde 2006, ele certamente teve um retorno espetacular. Já se ele entra na empresa agora, pode estar pagando caro. Por outro lado, se ele compra um pouco todo mês, mesmo que a empresa tenha uma curva descendente no futuro, no longuissimo prazo, será que ele não tem chance de estabelecer um preço médio bom? Além disso, temos que considerar que o cara só vai continuar comprando se a empresa permanecer boa, portanto se caiu e ficou claro que a empresa ficou ruim, é melhor assumir o prejuízo e ir buscar outra empresa. Considerando que há diversificação e a empresa não represente muito em sua carteira, o prejuízo não será tão grande assim.


4) PETR4



Agora vamos para o caso mais complexo. Veja o que aconteceu com a PETR4. Veja que quem comprou Petrobrás nos últimos 10 anos, periódicamente, é provável que esteja no prejuízo. Mas o lado bom é que está com um bom preço médio. A questão do valuation é complicada, pois quem se lembra, em 2008, a euforia era gigante, todo mundo falando que a Petrobrás iria se tornar a maior empresa do planeta, que o pré-sal o máximo, o Brasil, como parte dos BRICS iria virar uma superpotência, etc, etc, etc. aposto que muita gente comprou Petrobrás no topo com valuation, achando que estava pagando barato (lembre-se do fator psicológico!)

Por outro lado, quem comprou por valuation no fundo de 2008/2009 ou mesmo agora, ainda está esperando a empresa reagir. Este é um caso complicado e envolve outros fatores e crenças, pois é uma empresa operacional, que sofre intervenções do seu acionista majoritário (governo) mas que está num estágio muito forte de alavancagem para crescimento forte no futuro (pré-sal), considerando que o petróleo vai continuar nos preços atuais e que a demanda do mercado permanecerá ou crescerá (who knows?).

O ponto é, se o cara considera a empresa boa e faz compras períódicas, mesmo que tenha iniciado sua posição com uma compra no topo (2008), hoje ele tem um preço médio mais condizente com o que foi a empresa neste período.


CONCLUSÃO

Eu ainda sou um investidor amador, com pouca experiência no mercado de ações (+- 18 meses). Através de meus estudos e simulações nestes 18 meses, cada vez mais eu me convenço que uma metodologia Buy & Hold passivo, de compras periódicas de uma carteira diversificada e balanceada de boas empresas (de 15 a 20), é o método mais seguro e rentável (melhor risco/retorno) para o pequeno investidor como eu no longuissimo prazo.

Minha conclusão com relação ao preço justo (valuation) é que é uma coisa extremamente complicada, que demanda muito tempo e experiência e aumenta muito o risco da carteira. É claro que ao acertar o timing, o retorno tende a ser melhor usando valuation, mas não tenho certeza se o pequeno investidor tem todos os fatores ao seu lado para ser bem sucedido usando valuation. Como regra geral de investimentos, maior risco, normalmente significa maiores possibilidades de ganhos, mas eu desisti, pelo menos neste momento, de seguir qualquer metodologia de valuation.

EXCLUSIVAMENTE PARA MIM, EU ACHO QUE NÃO COMPENSA O RISCO, PORTANTO EU ACREDITO NO MÉTODO DE COMPRAS PERIÓDICAS SEM SE IMPORTAR COM PREÇO!

Importante:
Este material tem propósito meramente informativo e educativo. Não consiste em recomendação financeira ou estratégica para investimentos. Para saber mais sobre as opções de investimento e receber recomendações, procure uma instituição financeira com profissionais habilitados.

30 comentários

  1. EI,

    Legal seus dados. Cadê a comparação com a taxa livre de risco? Pois foi sobre isso que falei no meu post.

    obs - sobre a Petrobras, já fiz um estudo no meu blog, pode conferir aqui:
    http://di-finance.blogspot.com.br/2012/12/calculando-o-valor-de-uma-acao-parte-9.html

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. dimarcinho,

      O post não trouxe nenhum dado, portanto é difícil fazer qualquer comparação de rentabilidade e menos ainda sobre a taxa livre de risco. Quando eu tiver tempo vou pensar em algo montar um post à respeito.

      Penso que comparar uma única empresa com a taxa livre de risco é relativamente simples, mas de que adianta, pois uma única empresa não é a realidade para ninguém, já que a metodologia trata de diversificação. O ideal é comparar uma carteira.

      O ADP já montou alguns exemplos de comparação de empresas no site dele com CRUZ3, CSNA3, EMBR3 e vemos que os resultados são variáveis, portanto o mais importante é se preocupar com a escolha da empresa.

      De qualquer maneira, a discussão aqui é sobre a metodologia, bem como a minha crença neste o ponto de vista psicológico e de risco, mas não com respeito à questões quantitativas.

      Eu não tinha visto o post sobre Petrobrás, vi e achei muito interessante.

      Abraços!

      Excluir
    2. Sempre em frente. Parabéns. Muito melhor que os apontamentos do Di Marcinho, na minha opinião.

      Excluir
    3. Anôn, a idéia aqui não é polarizar a discussão e chegarmos a certo ou errado. Cada um tem sua opinião e temos que saber lidar com isso. Valeu pela visita.
      Abraços!

      Excluir
  2. Na dúvida, utilize as duas estratégias e vá apurando os resultados ano a ano. Esta é minha ideia, é o que eu estou fazendo.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Pois é Uó, pode ser uma alternativa, mas tenho dúvidas sobre a efetividade, comparado com um método randômico de investimento independente do preço.

      A questão é que o valuation pode ajudar muito, mas por outro lado pode atrapalhar e força-lo a perder uma oportunidade se o impedir de aportar numa empresa.

      No final das contas, a metodologia que estou seguindo acaba impedindo de investir muito nas empresas que mais sobem porque como elas sobem, os percentuais dela ficarão alinhados com a carteira e ela não fica pra trás.

      A metodologia é investir na empresa que ficou pra trás.

      Exemplo: Se tem 10 empresas e 10% em cada uma, compre no mês aquela que está com menos de 10%, automaticamente a que mais subiu vai estar com mais de 10%, portanto demora mais para você aportar na que está subindo.

      Meu entendimento é que a ausência de fatores psicológicos ajuda muito.

      Por outro lado, como eu já falei com você, guardar um dinheiro para um aporte forte em uma crise sistêmica, pode ser uma boa estratégia para ter uma rentabilidade extra (aumentando assim o risco também).

      Abraços!

      Excluir
  3. EI,

    bom, deixa um falar sobre outro assunto. Você comentou que possui 18 meses de Bolsa, não é mesmo? Bom isso é nada quando se trata de renda variável, principalmente quando somos amadores.

    Olha, falarei numa boa: você está defendendo com unhas e dentes uma opinião, baseado em opiniões de terceiros e sem ter sequer investigado o assunto.

    Outra: não sei com o que você trabalha, mas sabe quanto você vai discutir algum assunto com uma outra pessoa que não entende lhufas de um assunto e vc percebe isso de cara? Pois é cara, na boa, mas é exatamente o que estou "sentindo" qdo converso sobre este assunto contigo. Você além de não ter entendido até agora o que escrevi (e ainda concorda com minha opinião, mesmo sem ter entendido) você mistura os assuntos. Eu estou falando sobre teoria e você sobre estratégia.

    Você por exemplo pegou empresas com algum histórico de crescimento e jogou aí na tela. Olhar hj pro lado direto do gráfico é muito fácil. Aqui estamos discutindo sobre o que fazer olhando pro esquerdo, onde não vemos nada, apenas uma neblina.

    Mas se você quer realmente discutir sobre essas estratégias, deveria comparar os aportes periódicos da seguinte maneira:

    1) método Bastter (compre e foda-se)

    2) meu método: avalia primeiro qual seria o preço justo e realizar compras apenas quando houver uma diferença significativa entre o mesmo e cotação. No mínimo 30%. Uns 50% seria ótimo e 100% ideal.

    Ou seja, se eu calculo que o preço é 100, compraria apenas em 70 ou 50. Cabe um estudo avaliando ambas.

    No restante do tempo que não fosse possível realizar isso, o dinheiro seria aplicado na renda fixa.

    Além disso, é necessário fazer estudo para um longo prazo, de 10-15 anos no mínimo, pois toda ideia do valuation é para o retorno ao longo do tempo, ou seja, só conseguiria "ver" isso ao longo do tempo.

    Se você fizer isso tudo aí sim poderemos ter uma discussão melhor e mais técnica sobre o assunto.

    No mais, sugiro estudar material de melhor qualidade ao invés de só ler coisas no Bastter.

    obs - como reflexão fica aí: o Bastter ganha dinheiro investindo ou vendendo cursos e assinaturas?

    []s!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. dimarcinho,

      Vamos lá, eu não tenho problema nenhum em receber feedback e eu sei que eu tenho pouquíssimo conhecimento sobre investimento em bolsa, eu admito isso a todo instante. Eu imagino que daqui uns 8-9 anos eu esteja com a experiência necessária. Esta discussão toda certamente está me acrescentando muito conhecimento.

      Você não tem a mínima idéia do que eu faço da vida, e isso não importa em nada, mas posso te garantir que tenho muito sucesso na minha área de atuação (ponto).

      O que estou discutindo é realmente estratégia e em nenhum momento questionei a metodologia de precificação em si, não fiz uma pergunta se quer sobre a fórmula, porque realmente eu não tenho nenhum conhecimento sobre isso, nem tenho pretensão de ter, muito menos de discutir isso com você. Eu só questionei uma coisa, precificar envolve aumento de risco. Isso é básico em investimentos. O retorno é proporcional ao risco. Você diz que seu método envolve maior retorno, eu estou dizendo que é mais arriscado. Aí você me vem com esta de que não, seu método é infalível. Está contrariando um princípio básico. BOA SORTE!

      Pra falar do meu post, as empresas que peguei aqui são exemplos (EXEMPLOS). Tentei pegar uma de crescimento mais lento (CMIG), uma de crescimento mais rápido (MDIA). uma cíclica (CSAN) e uma, bem, a PETR, que fica dificil classificar, rsrsrs. Lembre-se, exemplos para ilustrar de maneira gráfica, mas não quantitativa. Não estou dizendo que são boas empresas.

      É a primeira vez que você está falando em método! Você falou do método "Bastter" e o seu. O que eu insisto é, parece bom, mas você NÃO precisa tentar me convencer que é melhor que o que eu uso. Veja no post a parte "EXCLUSIVAMENTE PARA MIM, EU ACHO QUE NÃO COMPENSA O RISCO, PORTANTO EU ACREDITO NO MÉTODO DE COMPRAS PERIÓDICAS SEM SE IMPORTAR COM PREÇO!". Se não entendeu, leia novamente a parte que começa com "EXCLUSIVAMENTE ..."

      Realmente é preciso fazer um estudo no longo prazo 10-15 anos. Eu não preciso fazer este estudo, pois estou satisfeito com meu método. Você sim precisa fazer se não tem certeza ou quer provar para alguém. Se tem certeza que está certo, vá em frente.

      Com relação ao Bastter, meu problema não é crer cegamente no que ele fala, aliás eu já tive meus entreveros com ele por causa de cotação e tive até um usuário bloqueado por causa disso. Muito do que acredito foi baseado na minha própria experiência e leitura de materiais diversos. Se ele está rico, eu não sei, pode ser porque ganhou muito dinheiro como médico, conseguiu a independência financeira e está curtindo a vida brincado de educador, ou então ele é um charlatão que está enganando todo mundo. Pouco me importa, aliás nada na vida dele me causa inveja, pois eu não consigo me imaginar o dia todo conectado comentando fórum no site. Prefiro passar meu tempo livre com minha família.

      O problema meu camarada, é que você acha que o seu método é o certo e nada mais. Portanto, você é bem-vindo aqui, mas por favor não me venha com este papo de "sugiro estudar material melhor ... pra depois vir falar comigo". Eu vou estudar aquilo que me convier. Se você acha que não estou a altura de conversar com você, não tenho conhecimento ou experiência e que o que eu escrevo é inútil, não precisa ler meus posts e me avise que eu paro de comentar no seu blog.

      Eu vou seguir meu método e você o seu. Aliás, eu deixo você ficar com a razão, pois não tenho este problema de ego.

      Abraços!

      Excluir
    2. E Damodaran ganha dinheiro como? Desse jeito não tem como sequer iniciar uma discussão.

      Dimarcinho, você é mais um que levou patada do Bastter e está com raiva. Acontece quase todos os dias lá.

      Vou fazer uma sugestão e acho que é boa. Você fez a carteira de micos que em pouco mais de um ano (você parou de atualizar em nov/13) estava com -50% de rentabilidade. Achei ótima sua iniciativa.

      Que tal fazer uma carteira teórica valuation? Poderíamos comparar o desempenho dela com a carteira teórica do Estagiário, que foi toda montada a la Bastter. O que acha?

      E vocês dois parem de se bicar! hahaha!

      Excluir
    3. Troll, eu estou me divertindo. Fica tranquilo. O Marcinho tb. Ele é mais turrão e não vai admitir que bateu uma pontinha de incerteza no método dele, mas ele passou o dia inteiro fazendo contas. hauhauhau.
      Tenho um amigo que diz o seguinte: deixamos o cliente com a razão e nós ficamos com o dinheiro.
      Eu não preciso ter razão.
      Abraços e obrigado pela visita.

      Excluir
    4. Opa!
      Ouvi meu nome (nick) aqui ? Hahahahaha...
      Sabia que minha carteira seguia algumas coisas do Bastter, mas não sabia que eram todos. Hahahahaha...

      A minha estratégia foi montada na verdade tentando sempre encontrar as melhores empresas do setor analisando somente o essencial, sem complicar absolutamente nada (com exceção do setor financeiro que é uma complicação total).

      Sobre a discussão do EI e do Dimarcinho...
      Meninas, se acalmem!
      Ninguém, absolutamente ninguém tem a fórmula do sucesso, a melhor estratégia é aquela que agente monta pra gente. Se houvesse uma estratégia ganhadora, ela nunca existiria, pois na bolsa, todos nós já estamos cansados de saber que existe a ponta vencedora e a ponta perdedora.

      Sobre a carteira teórica, eu acho muito interessante cada investidor criar a sua e ir acompanhando, não para mostrar que é melhor do que a do outro, mas sim para verificar O QUE ESTÁ ERRADO COM A SUA PRÓPRIA CARTEIRA/ESTRATÉGIA e consertá-la.

      Uta!

      Excluir
    5. Estagiário,

      Fico feliz que tenha uma carteira e esteja satisfeito com ela. A estratégia do Bastter parece ser a mais adequada para mim no momento, mas penso que o melhor é continuar estudando metodologias e principalmente avaliação de empresas, pois a chave de tudo é investir em boas empresas.

      Com respeito a carteira teórica, eu acho interessante, mas infelizmente mal tenho tempo de acompanhar a minha própria carteira real, portanto não conseguirei trabalhar nisso.

      Abraços!

      Excluir
  4. "precificar envolve aumento de risco"

    Pelo contrário jovem: ele reduz o risco. Você está estabelecendo limites de não comprar por qualquer preço... desde quando isso aumenta o risco?

    VIU COMO VC AINDA NÃO ENTENDEU O ASSUNTO ??????

    "Dimarcinho, você é mais um que levou patada do Bastter e está com raiva. Acontece quase todos os dias lá."

    Troll, tá de brincadeira, né? Ele fala merda e eu q tenho q ficar puto?? kkkkkkk

    Eu esqueci de atualizar a Queda Livre, farei isso hoje de noite. A ideia da carteira é boa, dará um trabalho monstruoso, mas vou tentar pensar numa maneira de fazer de forma mais simples.

    "Ele é mais turrão e não vai admitir que bateu uma pontinha de incerteza no método dele"

    Você sabe qual é o meu método?????????? rsrsrsrsrsrsrsrs

    ----

    EI,

    puta quiu pariu cara, só falando assim mesmo. Tu não entendeu nada do que eu disse mesmo. Em nenhum momento eu falei que este é o método vencedor e ponto final. Quem pensa assim é notadamente uma sardinha iniciante.

    Se você não entendeu ainda o que é o custo de oportunidade, fica muito difícil discutir sobre o que eu coloquei lá.

    Note: vc está falando que está se sentindo bem com a estratégia. Mas onde está escrito que ela será boa no longo prazo? Você está apenas repetindo coisas e não está parando para refletir, de verdade, sobre o que está fazendo. Está olhando superficialmente, fez umas continhas no Excel e pronto.

    Acredite, já passei pela sua fase e pensava da mesma maneira. Só após muito estudo que vi vários erros.

    Sobre estratégias de investimento (que é sobre o que eu NÃO falei no meu post), existem zilhões. A questão é que você tem q ser coerente em relação a sua aposta.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Prezado Dimarcinho,

      Quando você tiver um pouco mais de cabelos brancos provavelmente notará que diferentes pessoas tem diferentes objetivos na vida e diferentes pontos de vista.

      Este assunto está encerrado.

      Obrigado pela visita e volte sempre.

      Abraços,
      Blog Economicamente Incorreto

      Excluir
  5. Nesse caso existe três pontos de vista...
    o do Dimarcinho, o do economicamente incorreto, e o certo.

    Sempre que eu entrava em uma discussão meu pai falava a mesma coisa:
    Filho, tem o teu ponto de vista, o meu ponto de vista, e o certo...

    Impressionante como dificilmente conseguimos fugir dessa regra...

    Abraços

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. O problema é que o EI ainda não entendeu que eu entendi ele, mas ele ainda não entendeu o meu ponto de vista. rsrsrsrsrs

      Excluir
    2. PobreC,
      Este é uma das mais brilhantes frases que existem. Gosto muito de utilizá-la no meu dia-a-dia.

      dimarcinho, rapaz, vou te dizer um negócio, você é insistente, hein? rsrsrs

      Acho que temos que mudar a frase para, existem 2 pontos de vista e 1 certo (o dele). rsrs

      Abraços para vocês dois!

      Excluir
  6. Como dizia o mestre Graham, o Sr. Mercado é uma balança que oscila entre otimismo e pessimismo, muitas vezes de forma exagerada. Quando você compra uma ação em um mercado otimista você tem *maior risco* que comprando a mesma ação, com menor cotação, em um mercado pessimista.
    É difícil acertar na mosca os fundos e topos, mas dá para muito bem saber quando uma ação está inflada demais pelo mercado, ou quando uma ação está estupidamente barata. Alguns exemplos:
    EZTC3 em 2008 a R$2,00 (ou menos). A empresa tinha mais dinheiro em caixa, sem dívidas, do que o próprio valor da ação! O único porém que era uma empresa que lançou IPO em 2007 e não dava para saber o histórico... Mas dava muito bem para entrar com uma parte (se tivesse bola de cristal era all-in). Depois acabou se mostrando uma das melhores empresas de construção civil listados na bolsa.
    TGMA3 no final de 2012 e começo de 2013. A empresa era boa, mas o P/L estava relativamente muito alto em relação ao passado da empresa. Ou seja, os investidores já estavam precificando com otimismo elevado o crescimento da empresa. Vendi com certo dó, mas a racionalidade se mostrou correta, a cotação chegou no topo e foi caindo. Comprei outras ações mais baratas ao invés de ficar segurando Tegma.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Falou bem. Acertar o fundo e topo é impossível. Mas se acertar mais ou menos por ali fará uma diferença absurda no LP.

      Excluir
    2. Seth, só sei de uma coisa, é muito difícil acertar qualquer coisa com consistência sobre o que vai acontecer. Os gênios fazem isso com um pé nas costas e ficam ricos enquanto as amebas como eu tem que tomar muito cuidado para não levar rosca.

      dimarcinho, o insistente! acho que se ele conseguir convencer pelo menos uma pessoa ele ficará feliz. Alguém aí se habilita para dizer que ele mudou a sua forma de pensar e o convenceu? rsrsrs

      Abraços!

      Excluir
    3. Sim, sou insistente pois estou tentando ti ajudar. Vc é mais um hipnotizado pela mania Bastter. Mas não se preocupe. Não serei mais insistente.

      []s e boa sorte, vais precisar!

      Excluir
    4. Uma coisa é buy and hold, outra coisa totalmente diferente e que EXIGE precificação é trade de valor, existe muita confusão ai.

      Sócio opera lucros, não preços, sendo que o ideal pro sócio é comprar cada vez mais caro.

      O que há de errado no cabra enriquecer com dinheiro de livros, cursos, palestras? Qual é a diferença dele para um empresário que ganha muito dinheiro e investe seus lucros? Nós ganhamos dinheiro com nosso trabalho, oras, bolsa serve para remunerar o capital.

      Respeitosamente,

      mrc

      Excluir
    5. Dimarcinho, vc leva a vida muito a sério. Tem que relaxar um pouco mais.
      É claro que vou precisar de sorte. Quem não precisa de sorte nesta vida, né?
      Te desejo sorte também!
      Abraços!

      Excluir
    6. Mrc,
      É isso mesmo, a precificação é um processo complexo (praticamente uma arte, já plagiando o dimarcinho). É bem possivel que muita gente tenha muito sucesso usando a precificação. Devido à complexidade e ao maior risco, eu decidi nã pretar muito atençao à cotação. Me coça os dedos quando vejo uma ação que gosto levando um tombo, mas me seguro pois no passado já cometi uns exageros e comprei demais.

      Com respeito a como o "conselheiro" ficou rico é uma brincadeira pra saber se o metodo é bom ou não, ou seja, seno cara ficou rico usando o método dele é porque é bom, mas se ele ficou rico vendendo curso e livros sobre o método, pode não ser tão bom assim.
      Ná prática isso não significa muita coisa mesmo.
      Abraços!

      Excluir
    7. Ei, a questão chave da precificação não é nem o aumento de risco em si, pois, se feita corretamente (o que é dificil de se avaliar), ela o diminui, mas para vc se beneficiar dela o capital aplicado tem que ser grande, do contrário, é muito trabalho pra nada, sinceramente...vale muito mais a pena se dedicar ao seu trabalho e investir passivamente, neste caso.

      O erro que eu mais observo nos blogs por aí, é que o pessoal nao quer somente aprender com o Buffet, com Lírio parisotto, luis barsi, eles querem copiá-los, o que é um erro grotesco, pq esses caras operam com milhões, centenas de milhões, eles compram uma parte significativa da empresa, eles não realizam comprinhas mensais por anos e anos...eles, verdadeiramente, se beneficiam da precificação, do valuation. Se engana quem acha que precificar uma ação é analisar P/L, vpa etc.

      Enfim, essa é minha opinião.

      Respeitosamente,

      mrc

      Abraços

      Excluir
    8. mrc, concordo que a turma tenta imitar os grandes investidores como WB, lírio e barsi e isso não faz muito sentido, pois estes caras operam muito grande.
      O meu ponto com respeito ao risco é exatamente esse que você apontou quando colocou a questão no condicional "se feita corretamente". O fato de existir a condição de ser feita ou não corretamente e a necessidade de que para se beneficiar dele o cara precisa fazer uma operação muito grande é que entendo que pode trazer mais riscos para mim. Penso que a metodologia de aportes contantes traz resultados mais previsíveis, mesmo que com menores ganhos.
      Se certa maneira entendo que estamos com opiniões muito semelhantes.
      Abraços!

      Excluir
  7. Fala EI! O que acho mais difícil é a parte "especulativa" do processo de Valuation. A "especulação" do futuro da empresa através das projeções dos próximos fluxos de caixa é decisiva para uma análise correta e neste ponto, falta informação para os pequenos investidores. Como ter acesso ao planejamento estratégico das empresas, como projetar variações de faturamento, custos etc adequadamente?
    []s

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Investidor de risco, realmente, valuation de fácil não tem nada.

      Com relação às projeções, isso acaba virando bola de cristal, pois é simplesmente impossível voce analisar com segurança esse tipo de dado: fluxo de caixa futuro, custos em geral, lucros, concorrência entre outros. Contudo, uma coisa é certa, empresas boas e bem administradas tendem a continuar boas, raro mesmo é um mico virar mina de ouro! rs

      mrc

      Excluir
    2. Investidor de risco e mrc, esta questão da futurologia, apesar da brincadeira, eu até acredito que existam métodos para se aumentar a probabilidade de acerto (ou usar o conservadorismo para diminuir a probabilidade de erro), mas o problema na verdade é que o mercado é maluco então muita coisa pode acontecer até que as previsões aconteçam. Isso é impossível de prever.
      Abraços!

      Excluir
  8. Pessoal,

    Mais um capítulo da série sobre Valuation x Buy & Hold

    A Falácia do Valuation no Buy & Hold
    http://economicamenteincorreto.blogspot.com.br/2014/02/a-falacia-do-valuation-no-buy-hold.html

    Espero que gostem.

    Abraços,

    Blog Economicamente Incorreto
    http://economicamenteincorreto.blogspot.com.br

    ResponderExcluir

 

Seguir por e-mail

Posts Populares

Blogs Favoritos

Estatísticas